NOTA DE REPÚDIO - Declarações do prefeito "Mão Santa"

Recentemente, Mão Santa comentou que “as universidades federais não formam mais ninguém”, um total desrespeito com a Universidade Federal do Piauí

Nos últimos anos, tornou-se comum gestores (as) públicos (as) que receberam o voto de confiança de milhares de eleitores (as) com a missão coletiva de valorizar a educação e os (as) educadores (as), fazerem severas críticas ao papel das instituições públicas educacionais na transformação do futuro de diversas gerações de estudantes e nos mais diversos níveis de aprendizado. A nível nacional, já não é novidade, que o atual projeto do Governo Federal tem promovido um total desmonte do ensino gratuito e de qualidade, com a tentativa de implementar projetos vinculados ao interesse do capital internacional, voltado para o fim das universidades públicas, institutos federais, incentivando o fim de escolas, instituições estaduais e municipais que tenham projetos voltados aos mais vulneráveis, como forma de manter a exclusão social que caracterizou a nossa história.

No Ensino Básico, o atual projeto das escolas militares tem como proposta principal: disciplinar, doutrinar e catequizar estudantes, que ainda com as suas consciências históricas e sociais em processo de formação, precisam acreditar que a solução para o Brasil é o retorno da palmatória, da mão em riste na testa, e o mero entoar do Hino Nacional. Recentemente, todos nós acompanhamos a luta para a manutenção dos recursos do FUNDEB e a tentativa de acabar com essa conquista histórica, transferindo os fundos destinados para a educação no Brasil para os grandes conglomerados educacionais! Não conseguiram (ão)!

Qual o grau de respeito à sociedade devemos esperar do prefeito Francisco de Assis de Moraes Souza (Mão Santa), que teve o mandato de governador do Piauí cassado por corrupção? E que ainda desrespeitou todos os protocolos de isolamento social na cidade de Parnaíba, desrespeitou as vítimas da COVID-19, minimizou os efeitos e as consequências do novo coronavírus ao insinuar que o vírus poderia ser debelado apenas bebendo água. Inaugurou uma placa na cidade de Parnaíba em homenagem ao presidente Jair Messias Bolsonaro, com os dizeres: “ungido por Deus”. Insinuou a homossexualidade de autoridades religiosas, desrespeitando a trajetória de lutas pelo respeito a diversidade de crenças e orientações sexuais. Em meio a todas as atrocidades, era possível esperar o respeito às instituições públicas educacionais?

O prefeito Mão Santa é um representante genuíno do atual projeto do Governo Federal: curiosamente como médico, desconhece todos os estudos científicos de combate a pandemia da COVID – 19 e que já ceifou a vida de mais de 120 mil pessoas em nosso país; como cidadão, desconhece a necessidade do respeito à diversidade étnica, sexual, religiosa e todos os respeitos necessários para a construção de uma sociedade plural; como gestor, desconhece lutas históricas que estão sendo solapadas pelas políticas entreguistas ao capital internacional, endossadas pelo atual Governo Federal, e que apoia projetos segregacionistas, objetivando a manutenção de hierarquias sociais, a exemplo de políticas públicas voltadas para a população negra, indígena, para as mulheres, para toda comunidade LGBTQIA+, atacando assim a maioria da população brasileira!

Recentemente, Mão Santa comentou que “as universidades federais não formam mais ninguém”, um total desrespeito com a Universidade Federal do Piauí – com as instituições públicas de ensino no Estado, principalmente com a Universidade Federal do Delta do Parnaíba (UFDPAR) – e a trajetória das instituições que o mesmo viu crescer e formar diversas gerações de jovens. Infelizmente, em pleno século XXI, ainda temos que nos deparar com gestores (as) de tamanho nível de imaturidade. Uma rápida pesquisa demonstraria que as universidades públicas produzem 95% da ciência no Brasil. De acordo com os dados publicados recentemente pela Clarivate Analytics, o Brasil, no período de 2011-2016, publicou mais de 250.000 artigos na base de dados Web of Science em todas as áreas do conhecimento, correspondendo à 13.ª posição na produção científica global (num ranking com mais de 190 países), e parte dessa produção, inclusive, sendo realizada na Universidade Federal do Delta do Parnaíba.

Em relação à UFPI, a instituição tem números bastante expressivos: 84 cursos de Graduação, 15 cursos de EAD, 5 PARFOR, quase 40 mil estudantes atendidos, formando nos últimos 10 anos mais de 30 mil profissionais competentes em diversas áreas. Mais de mil professores doutores, quase 600 mestres, mais de 100 registros de patentes, 50 registros de softwares. 45 programas de mestrado, 20 programas de doutorado, mais de 300 projetos de extensão, quase 4 mil bolsas destinadas a estudantes nas diversas modalidades (constantemente ameaçadas pelo atual Governo Federal), mais de 400 escolas conveniadas e assistidas com estagiários (as) que ajudam na transformação do cotidiano escolar de milhares de estudantes do Ensino Básico. Diante de todo exposto, questionamos:

O que esperar do prefeito “Mão Santa”? CONHECIMENTO E RESPEITO!

 

A DIRETORIA

ADUFPI EM TEMPOS DE LUTA