Confira os materiais das Chapas 1 e 2, que concorrem à diretoria do ANDES Sindicato Nacional.

Eleições telepresenciais 2020 - ANDES Sindicato Nacional

Contrarreforma Administrativa e Ensino Remoto: implicações na nossa carreira

Este ano de 2020 tem sido intenso e difícil para a docência. De um lado, uma contrarreforma administrativa que pretende destruir o serviço público. De outro, fomos obrigados ao distanciamento social e, de forma emergencial, exercer a docência remotamente. Para além da emergência, não devemos perder a noção de que essas questões se articulam com um processo de fragmentação e aceleração do tempo e de precarização das condições de trabalho e a destruição do tripé ensino, pesquisa e extensão.

Nós da chapa 1 defendemos que o EaD não pode substituir o ensino presencial, embora reconheçamos a sua necessidade em determinadas situações e contextos, como neste momento de pandemia. Porém, nós somos contra sua regulamentação, porque é a oficialização da precarização e flexibilização do trabalho docente e, nesse momento, a luta é para que o ônus material e demais necessidades impostas pelo trabalho remoto sejam garantidas pelas instituições de ensino.

Nosso compromisso é com a valorização de nosso trabalho. Defendemos a carreira docente única, com ingresso por concurso público como garantia da transparência ao acesso, regime prioritário de dedicação exclusiva que permita ao/à docente não depender de trabalhos complementares, estabilidade no emprego que assegure que os/as servidores/as trabalhem pautados/as por projetos imunes à pressão e flutuações administrativas e aposentadoria integral que garanta um futuro menos inseguro.

A reforma administrativa quer destruir nossa carreira. Ela é continuidade da política de redução do tamanho e função do Estado Social, precedida pelas Contrarreformas da Previdência e Trabalhista, Lei de terceirização e, principalmente, a Emenda Constitucional 95. Derrotar a Contrarreforma Administrativa é nossa tarefa central.
Somos Chapa 1 UNIDADE PARA LUTAR Em defesa da educação pública e das liberdades democráticas

UMA NOVA DIREÇÃO PARA ENFRENTAR NOVOS DESAFIOS

Esta eleição para o ANDES-SN não é uma eleição qualquer. Ela irá eleger a diretoria que enfrentará os maiores ataques que a educação, a ciência, a tecnologia e a democracia têm sofrido. Por isso, não basta repetir o de sempre, é preciso RENOVAR nosso sindicato.

É preciso RENOVAR porque não podemos ficar satisfeitos em participar de um fórum que reúne apenas as entidades que a atual diretoria classifica como “classistas”, virando as costas para o Fórum Nacional Popular de Educação, que reúne 54 entidades deste setor, com a única exceção do ANDES-SN. Defendemos a unidade, na prática, em torno de quem luta pela educação!

É preciso RENOVAR porque não vamos conseguir derrotar a Reforma Administrativa, que ameaça nossa carreira e o futuro do serviço público de qualidade, sem tornar nosso sindicato um espaço aberto para cada colega que queira participar. Defendemos um sindicato voltado para o conjunto da categoria docente!

É preciso RENOVAR porque precisamos garantir a autonomia e a democracia nas universidades federais, estaduais e municipais, nos IFs e CEFETs e isso será possível apenas com uma direção que defenda a autonomia e a independência, mas que não se negue ao diálogo com as forças vivas da comunidade acadêmica. Defendemos que reitor eleito é reitor empossado e não tergiversaremos na defesa da posse dos reitores ou reitoras mais votados(as) nas consultas e processos eletivos!
Enfim, é preciso RENOVAR para termos um ANDES-SN que priorize a luta pela nossa carreira, pelos nossos salários e pelo financiamento público do ensino, da pesquisa e da extensão. A luta sindical deve dialogar com o nosso cotidiano de profissionais que dão aulas, pesquisam, publicam, orientam e fazem extensão. Sabemos da importância de nossa profissão para a sociedade brasileira. Somos docentes e queremos o ANDES-SN de volta para o conjunto da categoria!