Em defesa de Universidades públicas, gratuitas e de qualidade.

A ADUFPI reafirma seu compromisso com a luta pela educação pública e de qualidade.

No Brasil, diante da atual crise ocasionada pelo novo coronavírus, professores e alunos encaram um cenário de grandes prejuízos no setor da educação gratuita e de qualidade. Nas universidades públicas, a situação de desmonte de políticas permanência e de desenvolvimento continua em pleno vigor na pauta da agenda política neoliberal do governo brasileiro, agravando e precarizando ainda mais os serviços ofertados pelas instituições federais de ensino. Não bastasse o inoportuno Future-se, estão previstos para o ano de 2021, cortes orçamentários que somam pelo menos 4,2 bilhões de reais.

Enquanto outros países enxergam o investimento nestas áreas como forma de sair da crise, aqui se entende que Educação, Ciência e Tecnologia são gastos e não investimentos. A consequência disto virá no futuro, sob forma de risco à soberania, com dependência de importações de produtos industrializados de ponta, perdas na capacidade de inovação, baixo crescimento, além de êxodo de capital humano qualificado.

Resultados do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) de 2019 que avalia o rendimento dos concluintes dos cursos de graduação em relação aos conteúdos programáticos previstos nas diretrizes curriculares dos cursos, o desenvolvimento de competências e habilidades necessárias ao aprofundamento da formação geral e profissional, e o nível de atualização dos estudantes com relação à realidade brasileira e mundial, elucidam de forma clara e objetiva a diferença abismal entre a qualidade do ensino público e privado no Brasil. Os resultados mostraram que das instituições que obtiveram nota 5, as instituições privadas de ensino superior atingiram um percentual de 1,4%, enquanto as universidades públicas obtiveram um percentual de 23,9%.

Este panorama ratifica a importância de lutar em nome da defesa de Universidades Públicas, gratuitas e de qualidade, visto que o modelo que existe hoje, erguidas com o tripé ensino, pesquisa e extensão, vai exigir um movimento de reafirmação do compromisso social, não para uma elite, mas para o povo, a quem de fato precisa. A ADUFPI reafirma seu compromisso com a luta pela educação pública e de qualidade, e ainda, enfatiza, que não medirá esforços pela defesa de uma universidade inclusiva, livre de amarras autoritárias e pautada numa educação libertadora.