07 de agosto - 14 anos da Lei Maria da Penha

A ADUFPI deseja, que todas as mulheres estejam unidas e munidas de toda força necessária para vencermos diariamente.

Há exatos 14 anos, as mulheres de todo Brasil deram um passo muito importante para a história dos direitos humanos e da luta de enfrentamento à violência doméstica contra a mulher. Foi sancionada a lei de número de 11.340/06, popularmente conhecida como, Lei Maria da Penha.

Sua história de vida é o retrato fiel e escancarado de incontáveis mulheres que são constantemente violentadas, espancadas e mortas por seus parceiros e homens de toda natureza. Maria da Penha casou-se com Marco Antonio Heredia Viveros, colombiano, em 1976. Após o nascimento da primeira filha se mudaram para Fortaleza, onde a partir desse momento sua história começou a mudar. No ano de 1983, Maria da Penha foi vítima de dupla tentativa de feminicídio por parte de seu marido, ele deu um tiro em suas costas enquanto ela dormia. Como resultado dessa agressão, Maria da Penha ficou paraplégica devido a lesões irreversíveis na terceira e quarta vértebras torácicas, laceração na dura-máter e destruição de um terço da medula à esquerda, fora outras complicações físicas e traumas psicológicos.

Mas essa história não aconteceu apenas a Maria da Penha. Ao fim dessa leitura, infelizmente, uma mulher será violentada, e daqui há duas horas, outra será morta. Uma triste estatística que nos faz lembrar a todo instante da importância da luta das mulheres pelo reconhecimento de seus direitos.Nesse dia 7 de agosto, nós da ADUFPI, associação construída por formidáveis mulheres, queremos dizer não à violência doméstica, não ao feminicidio, não ao machismo, e principalmente, que não queremos ser mais macho que muito homem. Queremos ser apenas nós mesmas, mulheres livres, independentes, de todas as cores e classes sociais, queremos ser respeitadas e ter condições dignas e igualitárias de acesso educação e ao mercado de trabalho. Dia 07 de agosto, dia da Lei Maria, a ADUFPI deseja, que todas as mulheres estejam unidas e munidas de toda força necessária para vencermos diariamente.

Foto: Instituto Maria da Penha